sexta-feira, 5 de outubro de 2018

PEDIDOS PARA SER FELIZ!




Pedidos para ser feliz!


Ao pé do mar, meus desejos pedi
ele me ouve com toda a atenção,
bons momentos e passeios vivi
com alegria, amor e muita emoção.

À lua, minha amiga confidente, desabafei
porque todos temos lamentos no coração
que fazem parte da vida e sempre tentarei
ter fé e coragem para enfrentar cada furacão.

A ti amor, peço confiança e compreensão,
amizade e momentos de grande cumplicidade
para continuarmos a viver com amor e paixão.
dando valor aos momentos que nos dão felicidade.

A Deus agradeço cada bênção recebida durante o dia
e pela proteção, fé e energia positiva dada com amor.
Procuro sorrir, sonhar, vivendo com o perfume da poesia,
valorizando amizades, a quem respeito e dou valor! 

EM BUSCA




EM BUSCA


Viajei pelo Mundo 
Em busca do Amor
Aquele mais profundo
E belo como um beija-flor 

Viajei pelo Mundo 
Em busca da perfeição 
De onde seria oriundo 
Como o bater do coração 

Viajei pelo Universo 
Em busca da poesia 
Composta por um simples verso
Mas repleta de sonho e magia 

Viajei pelo Universo 
Em busca da Amizade 
Sem guerras apenas o inverso
Para terminar simplesmente com a maldade 

domingo, 23 de setembro de 2018

AS VINDIMAS DA MINHA TERRA




AS VINDIMAS DA MINHA TERRA

  
- Torna, torna, torna, torna!
Alguém grita lá do alto
- Aí vai cesta para a dorna!
E as moças em sobressalto.

- Torna, torna, torna, torna,
Cá vai cesta carregada!
- Torna, torna, torna, torna,
Quero-a aqui já esvaziada! 

Torna, torna, dizia o Quim,
Para eu ir correr também
Vinha a cesta para mim
E já eram mais de cem…

As vindimas, por instinto,
Quer de graça ou mesmo à jeira,
Vinho verde, branco ou tinto,
Todo o ano uma canseira.

- Torna, torna, sor António
Faça a cesta deslizar,
Quem me dera ser campónio
Pro poder desafiar!

- Trinta e dois degraus acima
Vejo ali mais outro cacho
Espreita lá, ó bela prima,
Já que estás aí em baixo!

- Torna, aqui para a latada
Venha lá mais outro cesto,
E lá diante baixa escada
Pra colher aquele resto!

Era ver as moças novas,
Sempre alegres e a cantar
Vira, vira e outras modas
E às vezes a dançar.

Já lá vem carro de bois,
Que se ouve a chiadeira,
Dornas cheias e ao depois
Há pisada a noite inteira.

Era assim o dia todo,
E com muito ou pouco grau
Saía vinho sempre a rodo
Com arroz de bacalhau. 

- Ó Armindo traz lá o fole,
Ó André, e a concertina?
Ninguém tenha o corpo mole
Nem que seja ali na esquina! 

E começa a desgarrada
Pernas limpas à partida,
Até à alta madrugada
Pra cumprir a lei da vida.

Fica o vinho no lagar
Dois, três dias, feito mosto
Com uma cana pra atestar
Vê-se logo se tem gosto…

- Ó vindimas colossais
Vamos todos, manhã santa,
Colher uvas mais e mais
Que esta nossa já cá canta!

Frassino Machado
CANÇÃO DA TERRA E DO MEU PAÍS

OUTONO




OUTONO


Outono dos Poetas e Pintores
Onde as tuas aguarelas
De cores suaves e singelas
Em largas pinceladas
De folhas desgarradas
Num redemoinho
Vão bailando, bailando!
Ao som da música do vento
Que ora é agreste e assobia
Ou cantando doce melodia!
Num lindo pôr-do-sol
Vem anunciar um novo dia
E o vento continua a tocar
E as folhas a bailar
Num bailado constante
Onde a própria aragem
É música e poesia!

© Paulo Gomes

OUVIR O CORAÇÃO!




Ouvir o coração!


Sinto uma brisa de manhã
que me diz para ter cuidado,
- não vás por aí...
Paro um pouco 
e escuto a voz da esperança
que me pede para ter calma e paciência,
tudo vem na hora certa...
No silêncio da noite,
ouço a voz da paz que me diz
para escutar meu coração...
E o meu coração,
mestre nos conselhos,
grita aos pulos:
vai em frente, 
confia,
acredita
e sê feliz!

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

POMBA DA PAZ !!!...




POMBA DA PAZ !!!...


Voa... voando p´ro ninho;:
Pomba branca como a neve...
Não te percas p´lo caminho;
Vai depressa e volta em breve!...
A paz que voa... voando...
Nas tuas asas pombinha;
A esperança vai deixando,
P´lo mundo onde caminha!...
Vai voando sem parar...
Deixando o ódio p´ra trás;
E vai o mundo alertar;
Se a prepotência acabar,
Podemos viver em paz!...
Muitas pombas vão voar,
Muitas esperanças também...
Mas ficam sonhos no ar;
Se a paz um dia chegar...
Viver no mundo... é um bem!...

© António Cláudio